396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa

396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa

mai 5, 2014

Planejamos pedalar até Gênova hoje. O terreno continua sem muitas novidades: uma cidade, uma subida, uma descida e outra cidade. Muito cansativo. Perto da cidade de Gênova, ficou mais plano e podemos aumentar nosso ritmo. Logo chegamos a referida cidade que estava movimentadíssima. O porto estava repleto de turistas, vendedores ambulantes e muitos transatlânticos. De longe fomos acompanhando o centro histórico. Foi impossível vistá-lo, pois as ruas estreitas e a multidão de visitantes nos impediram. Um tumulto inacreditável ! Conseguimos um mapa no Centro de Informações Turísticas e passamos a utilizá-lo para procurar um camping.

Gênova é um importante porto marítimo que rivaliza com a cidade francesa de Marselha na disputa pelo lugar de melhor porto do mar Mediterrâneo. É também capital da província de mesmo nome, e ocupa lugar de destaquno golfo de Gênova.
A historia da cidade remonta aos gregos, escavações de uma necrópole datada do seculo IV a.C foram encontradas. Foi destruída pelos Cartaginenses em 209 a.C, sendo reconstruída pelos Romanos que a usaram como base durante a guerra que travaram com a Ligúria. Outra informação legal sobre  a cidade: foi provavelmente aqui que o jeans foi criado e usado pela primeira vez por marinheiros genoveses.

Bem, quando já estávamos preocupados, devido a ausência de placas indicando o camping, começamos a sair de Gênova. Foi então que encontramos um casal de cicloturistas franceses que tinham um GPS e também procuravam o camping. Eles nos informaram que estávamos próximos e então os seguimos. Começamos a subir uma ladeira absurda e então desistimos de segui-los e voltamos a praia para seguir a rodovia. Com a certeza de que encontraríamos um camping logo a frente, fomos pedalando de cidadezinha em cidadezinha sempre com muitos morros e nada de campings, só hotéis de luxo. Começou a anoitecer e ainda estávamos sem lugar sem lugar para dormir. Continuamos a pedalar, quando de repente fomos parados por uma jovem de moto que nos ofereceu três brioches. A motociclista disse que ganhou de uma amiga e como estava de dieta não poderia comer e decidiu nos dar. Agradecemos e perguntamos sobre a existência de algum camping ou hospedagem barata na região. A motociclista se apresentou e nos ofereceu hospedagem em sua casa que fica próxima a cidade de Rapallo. Impossível recusar ! Misturando inglês e italiano, Helena nos deu o endereço e explicou o caminho que seria de mais subidas e uma longa descida.

Chegando ao topo do morro, Helena nos esperava para nos guiar pelo resto do caminho. Em sua casa, fomos recebidos também por sua irma Michaela com muito carinho. As duas prepararam o jantar e nos convidaram para comer “gnocchi”. Conversamos bastante e  depois do jantar fomos acomodados em um quarto na parte externa com direito a aquecedor. Ao acordar fomos novamente convidados para o café. Durante a refeição, convidamos as duas para aproveitar o domingo ensolarado e nos acompanhar pedalando por alguns quilômetros. Aceitaram, pegaram as bicicletas e nos levaram a lugares lindos como Santa Marguerita e Porto Fino, praias de águas de cor de esmeralda e mansões. Fomos informados que Brad Piit e Angelina Jolie compraram uma casa no local para passar o verão.

Helena e Michaela  voltaram para suas casas e seguimos caminho. Pedalamos até  uma praia na cidade de Chiavari onde nos acomodamos em um camping de frente para o mar. Foi um dia lindo.

No camping fomos recebidos por um italiano muito louco que viajou pela América do Sul, inclusive pelo Brasil,  pedindo carona muitos anos atrás. Contou muitas historias da viagem, pena que não se lembrava dos nomes dos lugares, pois segundo ele o excesso de álcool os apagou da memoria.

No dia seguinte, acordamos e fomos a uma loja de eletrônicos comprar um novo smartfone com GPS para seguir viagem. Compramos um com menos tecnologia, menor e logicamente mais barato. Depois da compra, decidimos seguir até a estação e pegar um trem para Pisa, evitando o caminho por Cinque Terre, onde encontraríamos montanhas e mais montanhas, seguindo assim os conselhos de nossa amiga Helena.

Não tivemos dificuldade em embarcar nos trens (foram dois até Pisa), pois na Itália, diferente da França, há vagões somente para bicicletas e estes espaços são pagos separadamente. O que mais nos impressionou durante esta viagem, foi que embarcamos e desembarcamos dos trens sem que nenhum funcionário  pedisse para conferir os nossos bilhetes ou de qualquer outra pessoa no vagão.
Descemos na famosa cidade de Pisa, já na Região da Toscana  e fomos procurar hospedagem. Rodamos bastante e perto do centro encontramos um estacionamento para motorhomes. Um senhor nos recebeu e nos indicou como chegar ao camping da cidade. Seguindo suas orientações, passamos sem querer ao lado da Torre de Pisa e entramos na praça para vistar.

Logo a frente, chegamos no camping que tem a melhor localização de todos os tempos: fica a dois minutos de bicicleta da Torre. Montamos nossa barraca e decidimos ficar mais um dia em Pisa para explorar o centro histórico.

DSC 00081 168x300 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa

 

 

DSC 0002 300x168 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa                                                   Piazza dei Miracoli                                                               

 

Pisa, nossa primeira cidade na regiao da Toscana é muito conhecida pela famosa Torre de Pisa e porque Galileu Galilei aqui nasceu. O bom dessa cidade é que aquilo que você quer visitar está praticamente concentrado no mesmo lugar, na Piazza dei Miracoli e é possível vıisitá-la em um único dia.  A melhor opção para se locomover são seus próprios pés. Aqui encontramos:

  DSC 0014 168x300 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa
Torre de Pisa: Embora destinada a ficar na vertical, a torre começou a inclinar-se para sudeste logo após o início da construção, em 1173, devido a uma fundação mal construída e a um solo de fundação mal consolidado, que permitiu à fundação ficar com assentamentos diferenciais. A torre atualmente se inclina para o sudoeste. A altura é de 55,86 metros.

DSC 00171 300x225 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa

Duomo di Santa Maria Assunta:  É a catedral majestosa que você vai encontrar por lá. Em estilo medieval e com 5 naves, ela resplende na piazza logo depois da torre
Battistero O maior battistero da Itália. E como o próprio nome diz, usado para celebração de batizados.

 

DSC 0028 300x225 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / PisaPiazza dei Cavalier
 Scuola Normale Superiore, faculdade de grande prestígio.

Nesta mesma piazza, tem uma torre chamada de Torre da Fome, cuja lenda diz que serviu de prisão para o Conde Ugolino della Gherardesca, seus 2 filhos e seus 2 netos. Esse personagem também é lembrado na Divina Comédia de Dante Aleghieri, onde diz que Ugolino, para sobreviver na prisão, comeu seus filhos quando já mortos.

 

DSC 00243 300x225 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / PisaIgreja de Nossa Senhora della Spina.Onde dizem estar guardada em uma de suas paredes um dos espinhos da coroa de Cristo.

Compartilhe e Curta!
 396º dia. Cogoleto / Rapallo / Chiavari / Pisa

Sobre

Romulo e Mariana são casados, amam o cicloturismo e estão dando a volta ao mundo em uma bicicleta tandem.

Outras Aventuras:


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/pacot547/public_html/doisnabike.com.br/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273